Atenção!

Olá, visitante visando melhorar a acessibilidade da página foram feitas algumas mudanças no layout da página, assim tornando a página mais leve e acessível ao uso de leitores de tela. Para encontrar todo arquivo de postagem da página é necessário navegar no arquivo que se encontra no rodapé da página. Obrigado pela atenção!

Retinose Pigmentar no facebook!

FAÇA PARTE VOCÊ TAMBÉM DA NOSSA PÁGINA E TAMBÉM DO NOSSO GRUPO NO FACEBOOK! Parcipando da nossa página e do nosso grupo você pode interagir com demais portadores de (Retinose Pigmentar). E ainda ficar por dentro das notícias relacionadas a doença.

NOSSA PÁGINA: ¨CLIQUE AQUI E CURTA¨



NOSSO GRUPO: ¨CLIQUE AQUI E PARTICIPE¨

Contato do adiministrador da página.

Olá, meu nome é Paulo Ricardo, tenho Retinose Pigmentar desde os 4 anos de idade.Criei esta página com o intuito de compartilhar informações relacionadas a RP, e principalmente com o objetivo de trocar experiências com demais pessoas com RP. Se você tem RP ou é um familiar, amigo de alguém que tenha RP e deseja entrar em contato comigo o meu email é pauloricardo012@gmail.com. Agora se você tem skype e quiser me adicionar o meu contato skype é:pauloricardo012@hotmail.com . Observação:Peço desculpa aos leitores por não interagir com vocês nos comentários, devido a dificuldade de navegar pela página usando o leitor de tela, fica difícil acompanhar os comentários, então peço que qualquer comentário direcionado a minha pessoa favor entrar em contato pelo meu email é o pauloricardo012@gmail.com

Olha se você descobriu a Retinose pigmentar a pouco tempo e queria ler um artigo completo abordando vários temas relacionados a RP, basta clicar no link abaixo.

CLIQUE AQUI E LEIA!

Pesquisar

Carregando...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Chegamos a marca de 100 mil acessos!

O blog Retinose Pigmentar Noticias acaba de chegar na marca de mais de 100 mil acessos, e este dado revela uma grande conquista alcançado por este espaço, pois fomenta ainda mais a necessidade de mantê-lo vivo.
Em números, temos registrado centenas de acessos diários, resultando em milhares de visitantes mensais Gostaria, então, de dizer meu muito OBRIGADO a todos e todas que têm contribuído para este crescimento, quer seja por meio das visitas, quer seja por mensagens de apoio enviadas por e-mail e Facebook. Este retorno é muito gratificante para estimular a disseminação de informações do universo da Retinose pigmentar.
Um abraço,

Obs:Descrição da imagem acima:imagem com fundo preto e com letras e números branco escrito a seguinte mensagem:100.000 acessos obrigado!!
Por:Paulo Ricardo

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Maconha pode atrasar a degeneração da retina, de acordo com um novo estudo.

Observação: Lembrando que é apena uma suposta pesquisa e particularmente não sei afirmar se esta fonte é confiável, mas achei interessante e compartilho com vocês.
Um estudo publicado na edição deste mês da revista experimental eye research, e publicado enlínea Pelo instituto nacional de saúde, foi encontrado que os canabinóides - compostos que se encontram ojodeforma Natural no cannabis - pode atrasar a degeneração da retina em pacientes com retinitis pigmentoso, unaenfermedad Ocular que frequentemente provoca cegueira.
' os canabinóides se demonstrou que exercem efeitos neuroprotectores em diferentes tipos de insultos neurais', Começa resumo do estudo. Segundo os investigadores, o objectivo do estudo é abordar o potencial dos canabinóides theraputic' em ladegeneración Dos fotorreceptores, a conectividade sináptica e a actividade funcional da retina na rato p23h transgénico, Um modelo animal para autosómica dominante retinitis pigmentoso ( rp ).'
Os pesquisadores descobriram que ;' estes resultados indicam que hu210 [ um cannabinoide sintético ] conserva a estructuray Função de cone e o estribo, juntamente com os seus contactos com os neurônios postsinápticas, em ratasp23h .'
Chegam à conclusão ;' estes dados sugerem que os canabinóides são potencialmente úteis para atrasar a degeneraciónde A retina em pacientes com rp.'
O estudo foi realizado por investigadores do departamento de fisiologia da universidade de alicante.


Fonte:- thejointblog
http://thejointblog.com/cannabis-may-delay-retinal-degener…/

domingo, 18 de janeiro de 2015

Lucas Radaelli: Da deficiência visual ao trabalho com programação na Google

Conheça a história de superação do brasileiro que se tornou Engenheiro de Search Quality da Google e como ele faz para programar!
Lucas Radaelli é engenheiro de Search Quality da Google em Belo Horizonte, ou seja, seu trabalho junto com outros desenvolvedores é tornar diariamente a busca do Google melhor do que ela é!  E o mais bacana de tudo isso não é apenas o que o Lucas faz, mas sim quem ele é e sua história de vida! Neste artigo vamos conhecer tudo isso e como ele fez para programar na Google!
Lucas é deficiente visual, nasceu cego do olho esquerdo e perdeu a visão do direito quando tinha 4 anos de idade, consequencias da doença genética Síndrome de Norrie.  Aos 21 anos se formou em Ciências da Computação na Universidade Federal do Paraná, chegou ainda a fazer intercâmbio na Alemanha sozinho, proferiu diversas palestras, sempre está participando de podcast e profissionalmente deu consultorias na área de acessibilidade e usabilidade. Lucas Radaelli se define como  “leitor compulsivo, projeto de escritor” e, como citado no início desse post, atualmente trabalha na Google programando e melhorando o buscador mais usado no mundo!
Podemos imaginar toda a superação e empenho que o Lucas Radaelli tem e teve para chegar a todos esses resultados! E afinal, como ele faz para programar?
veja no video.



Fonte:http://inspiradanacomputacao.com/lucas-radaelli-da-deficiencia-visual-ao-trabalho-com-programacao-na-google-2/

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Sensor de som criado por brasileiros ajuda pessoas com deficiência visual

Por meio de avisos sonoros, protótipo desenvolvido por pesquisadores brasileiros tem como objetivo dar mais autonomia à portadores de deficiência visual.
Para auxiliar a realização das atividades diárias de pessoas com deficiência visual, pesquisadores do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Software Livre (NAP-SoL), sediado no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, desenvolveram um protótipo de sistema que permite ao usuário fazer a identificação de obstáculo e ambiente por intermédio do som. O programa computacional denominado GuideMe funciona em um dispositivo pequeno, ajustável à roupa e utiliza processamento de imagem e localização através do eco para reconhecer o ambiente. O protótipo desenvolvido alcançou o primeiro lugar no II Concurso Intel de Sistemas Embarcados realizado durante o IV Simpósio Brasileiro de Engenharia de Sistemas Computacionais (SBESC), que aconteceu de 4 a 7 de novembro, em Manaus (AM).
A equipe de pesquisa é formada pelos doutorandos do programa de pós-graduação em Ciências de Computação e Matemática Computacional (PPG-CCMC) Renê de Souza, Heitor Freitas e Luiz Nunes, com a coordenação do professor Francisco Monaco, do Laboratório de Sistemas Distribuídos e Programação Concorrente do Departamento de Sistemas de Computação, todos do ICMC. O sistema, por meio de fones de ouvido, estabelece comunicação com o usuário tanto verbalmente, com o uso de um sintetizador de voz, quanto por meio de sons tridimensionais.
“Imagine o deficiente visual aproximando-se de um balcão para pedir informações; se não houver ninguém para atendê-lo, o sistema diz: “ninguém à vista”. Em outra situação, podemos imaginar o deficiente visual procurando por uma pessoa conhecida em um local público; caso a pessoa seja detectada pela câmera, o sistema aponta para a aproximação dela e pode, inclusive, guiar o usuário até o seu amigo”, explica o professor Monaco.
O professor menciona ainda que, em uma situação na qual o usuário caminhe por um corredor, em linha reta, ele deve ouvir um som (suave) que pareça vir de sua frente. Caso o usuário ande em direção a uma das paredes, o som modifica sua direção e passa a ser ouvido como se viesse do lado da parede. Assim, o usuário pode utilizar essa dica sonora para conhecer a geometria do ambiente e corrigir seus passos.
Visão computacional
O sistema explora duas técnicas inovadoras. Uma é baseada em visão computacional que utiliza um webcam convencional e algoritmos de processamento de imagem para detectar a presença de pessoas e identificar rostos conhecidos. A outra técnica é apoiada em psicoacústica (estudo da relação entre estímulos sonoros e suas sensações decorrentes) e utiliza sensores de ultrassom para localizar obstáculos. Porém, em vez de emitir bipes, como sensores de estacionamento utilizados em veículos, por meio de um algoritmo de geração de áudio 3D, o dispositivo produz um som que aparenta surgir da direção e da distância em que está o obstáculo.
O GuideMe utiliza conceitos de wearable computing (tecnologia portátil como peça de vestuário) e sensor fusion (geração de informação combinando múltiplos sensores) e em sua especificação completa, utilizará sensor GPS, bússola e conexão wireless para prover auxílio à locomoção em áreas abertas. O objetivo inicial do projeto foi de aperfeiçoar os algoritmos que utilizam processamento espacial e de imagem. O protótipo atual foi produzido em um equipamento de hardware fornecido pela empresa de tecnologia Intel.
“Pretendemos migrar para um hardware menor, mais leve e com maior eficiência energética, para que possa ser utilizado por mais tempo com auxílio de bateria. Em longo prazo, pretendemos aprimorar a utilidade do dispositivo a partir da avaliação dos usuários”, explica Monaco. Durante o desenvolvimento a equipe fez testes preliminares utilizando o sistema para guiar-se em corredores com outras pessoas presentes. As funções do dispositivo foram executadas como o esperado. O próximo passo é realizar testes em pessoas com deficiência visual. O programa que foi desenvolvido em software livre será disponibilizado para a sociedade.
“Todas as especificações, artefatos de software e aplicações são livres para beneficiar a população e, sobretudo, às pessoas que possam fazer uso do sistema. Acreditamos nos conceitos de free open source software (software livre e de código aberto) e de free open source hardware (hardware livre de projeto livre e aberto) como facilitadores para que a pesquisa possa virar produto, este evolua livremente e chegue às pessoas a custos acessíveis”, complementa o professor “O sistema de orientação psicoacústico utilizado é baseado em técnicas de processamento de áudio tridimensional estudados por pesquisadores na Alemanha. Em conjunto, pretendemos intensificar as pesquisas”, planeja Monaco.
O II Concurso Intel de Sistemas Embarcados é destinado a estudantes de graduação e pós-graduação e tem a intenção de promover o desenvolvimento de sistemas inteligentes e inovadores com base em tecnologia embarcada. A equipe fará uma visita técnica ao laboratório da Intel nos Estados Unidos, como parte da premiação, e integrará o programa Intel Developer Forum, além de estar pré-classificada para a edição de 2015. A proposta apresentada para o concurso foi uma das aprovadas que recebeu uma placa de desenvolvimento (hardware) para produzir um protótipo em três meses. Além da continuidade do projeto, a equipe visa a investir em pesquisa na área de acessibilidade.

fonte:https://assistivaitsbrasil.wordpress.com/

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Gravação de orientação e mobilidade na prática: saindo de bengala pelo centro para fazer compras:

Gravação sobre atividades de vida diária:Por Wagner Maia

clique aqui e ouça!

Fonte:Estas gravações e outros vídeos estão disponíveis no Portal da Deficiência Visual: WWW.deficienciavisual.com.br

domingo, 14 de dezembro de 2014

Até 2020 o número de deficientes visuais poderá dobrar no mundo.


Segundo dados do IBGE de 2010, no Brasil, mais de 6,5 milhões de pessoas têm alguma deficiência visual, o que corresponde a 3,5% da população. Desse total: 528.624 pessoas são incapazes de enxergar (cegos); 6.056.654 pessoas possuem grande dificuldade permanente de ver (baixa visão ou visão subnormal). Outros 29 milhões de pessoas declararam possuir alguma dificuldade permanente de visão, ainda que usando óculos ou lentes.
A vida do deficiente visual é marcada também por uma luta por inclusão social, direito à educação e inserção no mercado de trabalho. Entre os problemas enfrentados diariamente por pessoas que possuem problemas de visão está a falta de acessibilidade, inclusive nas vias públicas e nos transportes urbanos. Mesmo nos grandes centros os investimentos em políticas públicas para promover o direito constitucional de ir e vir ainda são modestos e caminham lentamente.

Nos últimos anos, foram realizadas algumas adaptações na cidade de São Paulo, como faixas táteis nos pisos, com textura e cor diferenciadas, além de informações acompanhadas dos signos em Braille, mas a promoção da acessibilidade ainda engatinha numa das maiores cidades do mundo.

Sobre deficiência visual no mundo

A cada 5 segundos 1 pessoa se torna cega no mundo.
Do total de casos de cegueira, 90% ocorrem nos países emergentes e subdesenvolvidos.
Até 2020 o número de deficientes visuais poderá dobrar no mundo.
Com tratamento precoce, atendimento educacional adequado, programas e serviços especializados, a perda da visão não significa o fim de uma vida independente e produtiva.
* Dados World Report on Disability 2010 e Vision 2020
A Organização Mundial da Saúde aponta que, se houvesse um número maior de ações efetivas de prevenção e/ou tratamento, 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados. Ainda segundo a OMS cerca de 40 milhões a 45 milhões de pessoas no mundo são cegas; os outros 135 milhões sofrem limitações severas de visão.
Glaucoma, retinopatia diabética, atrofia do nervo ótico, retinose pigmentar e degeneração macular relacionada à idade (DMRI) são as principais causas da cegueira na população adulta. Entre as crianças as principais causas são glaucoma congênito, retinopatia da prematuridade e toxoplasmose ocular congênita.

O que é deficiência visual?

A deficiência visual é definida como a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, da visão. O nível de acuidade visual pode variar o que determina dois grupos de deficiência:
· Cegueira - há perda total da visão ou pouquíssima capacidade de enxergar, o que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braille como meio de leitura e escrita.
· Baixa visão ou visão subnormal - caracteriza-se pelo comprometimento do funcionamento visual dos olhos, mesmo após tratamento ou correção. As pessoas com baixa visão podem ler textos impressos ampliados ou com uso de recursos óticos especiais.

fonte: http://www.prograd.uff.br
Foto,Yesterday,Segundo dados do IBGE de 2010, no Brasil, mais de 6,5 milhões de pessoas têm alguma deficiência visual, o que corresponde a 3,5% da população. Desse total: 528.624 pessoas são incapazes de enxergar (cegos); 6.056.654 pessoas possuem grande dificuldade permanente de ver (baixa visão ou visão subnormal). Outros 29 milhões de pessoas declararam possuir alguma dificuldade permanente de visão, ainda que usando óculos ou lentes.
A vida do deficiente visual é marcada também por uma luta por inclusão social, direito à educação e inserção no mercado de trabalho. Entre os problemas enfrentados diariamente por pessoas que possuem problemas de visão está a falta de acessibilidade, inclusive nas vias públicas e nos transportes urbanos. Mesmo nos grandes centros os investimentos em políticas públicas para promover o direito constitucional de ir e vir ainda são modestos e caminham lentamente.

Nos últimos anos, foram realizadas algumas adaptações na cidade de São Paulo, como faixas táteis nos pisos, com textura e cor diferenciadas, além de informações acompanhadas dos signos em Braille, mas a promoção da acessibilidade ainda engatinha numa das maiores cidades do mundo.

Sobre deficiência visual no mundo

A cada 5 segundos 1 pessoa se torna cega no mundo.
Do total de casos de cegueira, 90% ocorrem nos países emergentes e subdesenvolvidos.
Até 2020 o número de deficientes visuais poderá dobrar no mundo.
Com tratamento precoce, atendimento educacional adequado, programas e serviços especializados, a perda da visão não significa o fim de uma vida independente e produtiva.
* Dados World Report on Disability 2010 e Vision 2020
A Organização Mundial da Saúde aponta que, se houvesse um número maior de ações efetivas de prevenção e/ou tratamento, 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados. Ainda segundo a OMS cerca de 40 milhões a 45 milhões de pessoas no mundo são cegas; os outros 135 milhões sofrem limitações severas de visão.
Glaucoma, retinopatia diabética, atrofia do nervo ótico, retinose pigmentar e degeneração macular relacionada à idade (DMRI) são as principais causas da cegueira na população adulta. Entre as crianças as principais causas são glaucoma congênito, retinopatia da prematuridade e toxoplasmose ocular congênita.

O que é deficiência visual?

A deficiência visual é definida como a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, da visão. O nível de acuidade visual pode variar o que determina dois grupos de deficiência:
· Cegueira - há perda total da visão ou pouquíssima capacidade de enxergar, o que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braille como meio de leitura e escrita.
· Baixa visão ou visão subnormal - caracteriza-se pelo comprometimento do funcionamento visual dos olhos, mesmo após tratamento ou correção. As pessoas com baixa visão podem ler textos impressos ampliados ou com uso de recursos óticos especiais.

fonte: http://www.prograd.uff.br,