Pesquisar

Minhas Redes Sociais – Nosso contato direto com você

No link abaixo nosso contato e nosso endereço de redes sociais. Siga-nos nestas Redes Sociais e tenha sempre acesso as informações que publicamos regularmente.



CLIQUE AQUI!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Geraldo Magela um dos maiores comediantes do pais também é portador de Retinose Pigmentar.

Quando fui ver, já não "tava vendo"!

Geraldo Magela, o cego mais popular do Brasil, nasceu com retinose pigmentar, doença degenerativa progressiva. Casado, com 45 anos, a falta de visão não lhe tirou o humor, muito pelo contrário, passou a ser importante subsídio para o conteúdo de seu trabalho, dando mais sentido às suas piadas. Ao Jornal da AME, Magela fala, com exclusividade, de sua infância, família, carreira e deficiência. Confira.

AME - Geraldo, fale um pouco sobre sua infância e sua deficiência.
Geraldo Magela - O nome da doença é "retinose pigmentar". Parece até nome de salada. Em casa, somos em oito irmãos e cinco apresentam o problema. Parece que são células na retina que vão morrendo ou perdendo a função. E também parece ser um problema genético. A minha infância foi muito problemática, porque, na época, sofria muito com gozações de outras crianças, que me chamavam de "cobra-cega", faziam brincadeiras de mau-gosto, como me jogar pedras e se esconder, entre outras brincadeiras, se aproveitando de minha pouca visão, pois eu não podia ver quem estava fazendo a sacanagem. Sempre enxerguei muito pouco. Televisão, por exemplo, só de muito perto. Jornal ou revista, só dava para ler as manchetes. E a perda da visão foi lenta. Eu digo que foi tão lenta que, quando fui ver, já não "tava vendo"!

AME - E na adolescência, como era a convivência?
Magela - Em casa também foi um pouco complicado. Meu pai, criado no interior, era comerciante, e gostava de tomar umas, de vez em quando, todo dia. E, à noite, gostava de fazer um showzinho à parte. E isso me deixava muito tenso. Em função disso, tive que sair de casa ainda na adolescência e alugamos um barraco: eu, meu irmão, minha irmã e mais duas pessoas. Mesmo com estes problemas, sempre fui muito brincalhão. E ralei muito! Já vendi picolé... Ganhei até prêmio como melhor vendedor: chegava no campo de futebol com a minha caixa de isopor, cheia de picolés, e o pessoal, sabendo que eu enxergava muito pouco, enfiava a mão na caixa, e era uma maravilha: tirava dois e pagava um, tirava três e pagava dois... Já fui também carregador de feira. Com meu carrinho, acompanhava as senhoras nas suas compras. E quase sempre eu as perdia de vista ou atropelava alguém na feira... Depois, trabalhei em loja, vendi loteria... Foi quando comecei a trabalhar em rádio.

AME - Você sempre foi bem-humorado ou foi "obrigado" pela circunstância a ser assim?
Magela - Sempre fui bem-humorado. Às vezes penso até que sou meio retardado! De vez em quando, fico meio baixo-astral, mas ainda bem que passa rápido. Coisas que me irritam, por exemplo: quando você liga para algum lugar ou manda um e-mail para alguém e não te dão retorno. Acho isto uma falta de respeito...

AME - Como conseguiu fazer de sua deficiência, sua profissão, seu ganha-pão?
Magela - Como disse, sempre fui muito bem-humorado. E sempre que me encontrava com o pessoal da "cegolândia", a gente dava muita risada com aquilo que acontecia com cada um de nós. Por falta de informação, as pessoas tratam o cego de uma maneira muito engraçada. Tem gente que acha que eu conto piadas de cego. E não são piadas, são casos verídicos! Quanto às respostas que falo que dou para as pessoas (exemplo: me perguntam "A sua mulher é normal?" e respondo "Não. Ela tem antena, rodinha e entrada para CD!"), claro que não falo isso. É só mesmo para ficar mais engraçado. Assim, tive a idéia de juntar as situações mais engraçadas e acabou virando um espetáculo: "Ceguinho é a mãe!" Aliás, esta mania de chamar o cego de "ceguinho", antigamente era muito pejorativa. Vira ponto de referência. Cego já era duro de ouvir. Ceguinho, então, nem se fala... Por isso o nome: "Ceguinho é a mãe!" Mas é claro que é só uma brincadeira. E hoje acabou virando até um termo carinhoso. Pelo menos eu sinto isso. Eu mesmo, quando ligo para alguém, eu falo: "Geraldo Magela, o ceguinho".

AME - Você tem uma forma leve e positiva de lidar com as pessoas e situações. Como aprendeu a lidar tão bem com sua deficiência?
Magela - Como a perda da minha visão foi muito lenta, eu fui me adaptando. E, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a maioria dos cegos é bem-humorada. O que, geralmente, tira nosso bom humor, é quando duvidam de nossa capacidade. Infelizmente, a maioria acha que somos quase inválidos, que temos muito mais limitações do que realmente temos.

AME - Em torno de sua cegueira você construiu seu personagem que deu tão certo e é tão querido por todos. Há diferença entre o "ceguinho" e o Geraldo Magela fora dos palcos e da telinha?
Magela - Não. Eu sou exatamente como sou na televisão ou no palco. Tem humorista que é mal-humorado, que é calado... Não dá para a gente entender esta incoerência. Eu não. Sou exageradamente bem-humorado, sempre.

AME - Há pessoas que associam deficiência com tristeza e drama. É possível ser bem-humorado mesmo com limitações?
Magela - Humor, a gente nasce com ele. É claro que, principalmente nos dias de hoje, tem muita coisa que tira o nosso humor. Esta violência sem controle, a incompetência e desonestidade dos políticos... Muita coisa tira o humor da gente. Mas eu sempre falo, ao final dos meus espetáculos: ninguém deve desistir de seus objetivos. E me coloco como exemplo disso. Apesar de tanto preconceito que já sofri e que, às vezes, ainda sofro, digo que você nunca deve parar. Pois quem pára não só pára, dá marcha-ré. Se você não tenta, já está derrotado.

AME - Poderia deixar uma mensagem aos nossos leitores?
Magela - Leitores, gostaria que um dia vocês pudessem assistir um de meus espetáculos: "Ceguinho é a mãe" e "Ceguinho chutando o balde". Será um prazer tê-los na platéia. Enquanto isso não acontece, conheça um pouco do meu trabalho visitando meu site (http://www.ceguinho.com.br) ou me mandando um e-mail (ceguinho@ceguinho.com.br). E aguardem, pois vem aí o meu livro: "Um cego de olho no futuro!" Um abraço a todos e a gente se vê por aí!



Fonte:http://www.ame-sp.org.br/noticias/entrevista/teentrevista17.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário