Pesquisar

Minhas Redes Sociais – Nosso contato direto com você

No link abaixo nosso contato e nosso endereço de redes sociais. Siga-nos nestas Redes Sociais e tenha sempre acesso as informações que publicamos regularmente.



CLIQUE AQUI!

sábado, 17 de junho de 2017

Você já parou para pensar sobre o significado daquelas bolinhas e barrinhas que há em algumas calçadas?

Você já parou para pensar sobre o significado daquelas bolinhas e barrinhas que há em algumas calçadas? Geralmente eles começam do nada e levam a lugar algum, ou para lixeiras, postes, placas, orelhões. Isso, quando não há pessoas videntes, que sem saber o propósito do piso, acabam também se tornando obstáculos. Esperamos que a partir deste texto você mude sua visão sobre esses pisos, pois eles têm um propósito bem maior do que ser apenas um enfeite às calçadas. Os mesmos, tecnicamente, chamam-se pisos podotáteis (podo = relativo a pés, tátil = relativo ao tato) e servem para orientar os deficientes visuais em sua locomoção.
Os pisos possuem texturas diferenciadas (tronco-cônicos – “bolas” – e lineares – “barras”) que têm significados distintos: ALERTA e DIRECIONAL,
respectivamente. O piso DIRECIONAL, mais conhecido como piso de “barrinhas” significa que o caminho é livre, sem obstáculos, deve ser colocado no sentido de deslocamento da via na “ausência ou interrupção da guia de balizamento” (NBR 9050/2004). Eles servem de guia para deficientes visuais, principalmente em espaços amplos onde é mais difícil se orientar por outros meios. Já o piso ALERTA – “bolinha” –, como o próprio nome diz, serve de alerta. Ele deve ser instalado nas seguintes situações:
1) Obstáculos suspensos: deve ser colocado em volta deste;
2) Rebaixamento de calçada;
3) Início e final de escadas e rampas,
4) Junto à portas dos elevadores;
5) Quando há desníveis como plataformas de embarque e desembarque, vãos, etc.
Há outras regras que devem ser levadas em consideração para a correta instalação dos pisos:
1) Quando houver mudança de direção deverá haver uma área de alerta indicando a existência de opções de trajeto. Ou quando a mudança de direção da via formar um ângulo menor ou igual a 90º deve-se utilizar o piso de alerta.
2) Quando houver sinalização direcional nos rebaixamentos de calçadas, esta deve encontrar a sinalização de alerta, o mesmo ocorre quando houver sinalização direcional nas portas de elevadores;
3) Nas faixas de pedestres, deve ser instalado o piso de alerta no sentido perpendicular ao deslocamento. É recomendada a colocação de piso direcional no sentido do deslocamento conectando os dois lados da calçada;
4) Em paradas de ônibus devem ser instalados pisos de alerta demarcando o local de embarque e desembarque.
Embora exista a NBR 9.050/2004 e o Decreto 5.296, na maioria das vezes, para não falar quase sempre, os pisos são colocados de maneira inadequada, perdendo assim a funcionalidade.
Por falta de informação, as pessoas desconhecem a maneira correta da utilização dos pisos. Algumas pessoas compram para “enfeitar” a calçada. Seria importante os pontos de venda informarem o significado e instruírem a maneira correta de utilização. É muito comum, como dito anteriormente, as guias levarem a postes, orelhões, árvores, placas, paredes. Ou muitas vezes as pessoas pararem em cima da guia. Ou carros estacionarem na calçada. Creio que para resolver esse problema, só mesmo através de informação. Não adianta criar leis e normas se elas não são divulgadas.
ENG MARCELO REDEL

Nenhum comentário:

Postar um comentário